“A administração do prefeito Fábio Rodrigues é um desastre”, afirma vereador Márcio

DSC_0075-1

Segundo o Ministério Público o Prefeito de Galinhos, Fábio Rodrigues, usou do seu poder politico e das possibilidades do seu cargo para promover um verdadeiro “TREM DA ALEGRIA NA CIDADE”

O vereador Márcio André da Silva Vale, vice-presidente da Câmara Municipal de Vereador de Galinhos, oposição ao governo do prefeito Fábio Rodrigues, repudia as declarações emitidas pelo o prefeito.

Fabio chegou a enviar a algumas semanas atrás uma nota a imprensa, para tentar desfalcar o que de fato vem acontecendo na prefeitura e na cidade de Galinhos. “Quem mora e reside aqui na ilha, bem sabe que a administração de Fábio está um caos, um verdadeiro desastre, e quem vêm pagando a conta é o povo”.

Sem medo de qualquer represália diante da máquina administrativa, o vereador afirmou ao blog na tarde de ontem (26), que o prefeito continua governando a cidade no piloto automático, apesar de já ter sido condenado na primeira instância e preste a ser também condenado na segunda instância.

É fato público que o prefeito “cassado” gasta recursos públicos sem transparência nas barbas da justiça. Segundo ele, nem mesmo a punição desta condenação sofrida pela justiça eleitoral na primeira instância, freou o ímpeto mentiroso que caracterizaria a sua administração.

A Prefeitura Municipal de Galinhos não passa de um imenso cabide de emprego, tem todo tipo de funcionários, aqueles que não conhecem nem onde fica a cidade de Galinhos, aqueles que são fantasmas, aqueles que não dão expedientes, e aqueles que trabalham e não recebem, além do nepotismo que é plausível na prefeitura em todos os setores.

Márcio disse ainda que o prefeito não cuida com zelo de seu povo e do dinheiro público que a cada dia é jogado no ralo, só não ver na cidade quem é de fato cego de guia. “Estamos vivendo uma nova avalanche de propagandas mentirosas deste prefeito irresponsável, onde a atual administração volta a tomar para si a responsabilidade de obras não realizadas, basta andar um pouco pela cidade para se deparar com a mentira estampada”.

Ainda de acordo com o vereador, o prefeito Fábio Rodrigues não se acanharia de gastar uma fortuna para que páginas inteiras de blogs e jornais estampem obras que não existem, ou inacabadas da prefeitura, o governo de uma minoria paga caro por isso, Fábio não se importa com o dinheiro público que está sendo consumido em mídias inúteis.

Enquanto ele gasta o dinheiro do povo com propagandas de obras e serviços que não existem, o povo, na cidade e na zona rural, vive cercado de problemas, com a falta de saúde, educação, segurança, social, lazer, dignidade, enfim. Ele deveria ter a consciência de que esse dinheiro merece um destino nobre… O povo!

Márcio afirma categoricamente que o caos e o desastre se formou desde que o prefeito assumiu a prefeitura, por exemplo. O ano letivo que deveria ter iniciado em fevereiro, só começou no dia 24 de abril de 2017, ou seja, o ano letivo tem 200 dias, sendo impossível ser cumprido, quem perde com isto é e educação do município e os alunos com a irresponsabilidade de um gestor que não tem compromisso com o município.

O Prefeito mentiu quando disse que o atrasado da obra da escola teria sido em virtude da reforma que foi feita, mas na verdade o que foi feito de fato,  foi uma cobertura de uma cozinha, que dias após foi preciso gastar mais dinheiro público, porque a obra ameaçou cair, o risco era eminente para alunos, professores e servidores de sofrer um acidente.

Na quadra do Assentamento Pirangi, mas conhecido como Barrocão, Márcio disse que o prefeito não construiu nenhuma quadra esportiva, ele é um mentiroso quando divulgou isto, todos os moradores bem sabem que no assentamento já insistia a quadra, o prefeito apenas pintou.

Sobre o ar-condicionado da Escola Municipal Professor Freitas, o prefeito colocou um equipamento em cada sala de 12 mil Btus, e a situação em vez de melhorar ficou pior. Quando deveria ter sido instalado três ar-condicionados de 12 mil Btus em cada sala.

Imagine 36 alunos numa sala de sala com uma refrigeração baixa para uma sala de 24 metros quadrados, é a mesma coisa de aplaudir o imoral. Ou seja, a climatização tornou de um benefício a uma bomba relógio prejudicando os alunos com o imenso calor, a maioria das salas os alunos abriram as janelas.

A reforma do CRAS, foi feita apenas uma cobertura que dias após veio abaixo… Uma obra de má qualidade sem nenhuma fiscalização. Os carros contratados pela prefeitura na gestão do prefeito Fábio estão todos com o pagamento atrasados.

No funcionalismo, o pagamento dos servidores está sendo feito, mas com atrasa, inclusive a prefeitura ainda não quitou sequer ainda a folha do mês de outubro. Os ônibus que leva os alunos de Galinhos para Macau do IFRN estão quebrados por falta de manutenção, e quando não está quebrado, param por falta de combustível.

Na saúde, as ambulâncias estão todas sucateadas, e por falar sobre sucatas, não é só as ambulâncias que estão assim, mas toda frota da prefeitura. Acreditem se quiser… O bebedor da Escola Professor Freitas, já completou um mês que está quebrado, os alunos estão tomando água quente.

O prefeito para se mantiver no poder estar vendendo Galinhos a todo preço. Enquanto isto, o vereador Robério fez um requerimento na Câmara solicitando ao prefeito que disponibilize remédios aos impe tensos do município. Pasmem! Um vereador solicitar através de requerimento remédio ao prefeito é mesma coisa que aplaudir o imoral.

O prefeito Fábio Rodrigues, está preste a ser julgado e cassado pelo o TRE/RN. Inclusive o procurador do Ministério Público narra em seu parecer que o prefeito de Galinhos chegou a promover um verdadeiro “trem da alegria”.

Eis alguns trechos do parecer…

De fato, os atos de nomeação para provimento de cargos em comissão, na qualidade de atos administrativos, cingem-se ao principio da legalidade estrita, pelo qual a administração somente pode fazer aquilo a que expressamente esteja permitida.

Evidente que o recorrente valeu-se do seu poder politico e das possibilidades do seu cargo para promover um verdadeiro “trem da alegria” no pequeno Município de Galinhos/RN. É importantíssimo destacar uma obviedade: a nomeação de cargos comissionados, de regra, irradia consequências no próprio pleito, porquanto os eleitores contratados e suas respectivas famílias, ainda que inconscientemente, vinculam a permanência dos vínculos laborais com a municipalidade ao candidato responsável pela nomeação, compreensivelmente almejando sua manutenção no cargo, o que revela, por outro lado, a gravidade suficiente ao comprometimento da lisura das eleições.

Acresço também a esse aspecto o cenário de grave crise econômica em que vivemos, pelo menos nos últimos quatro anos. Ultimamente, quem tem e consegue manter o emprego, ainda que mal remunerado, deve-se dar por privilegiado. E quem tem recursos financeiros e o poder de contratar é quase um ídolo, alguém a ser cortejado e reverenciado; tem um poder imenso em suas mãos, podendo dele lançar mão para o bem e para o mal.

No caso dos autos, todas as circunstancias evidenciam, deixam bastante claro, que FÁBIO RODRIGUES DE ARAÚJO aproveitou-se desse poder e das disponibilidades do erário municipal para encorpar significativamente seu rol de futuros eleitores.

A intenção eleitoreira dessas nomeações é evidenciada não somente pelos depoimentos testemunhais colhidos, mas também o elevado numero de exonerações ocorrido logo após a realização das eleições. Neste particular aspecto, merece enorme destaque o fato de que 186 numero de nomeados, corresponde a cerca de 80% dos servidores efetivos da Prefeitura de Galinhos.

Ou seja, com seus atos nomeação de cargos comissionados, tudo às custas dos cofres dessa pobre comuna, aquele conseguiu cativar nada menos que um eleitorado interior local, além das respectivas famílias, todos gratos pelos empregos que lhes deu e ansiosos pela sua continuidade no caso de reeleição.

Ademais, ainda que essas contratações tenham se iniciado antes do inicio da campanha eleitoral, não há óbice à caracterização do abuso de poder, uma vez que, conforme entendimento pacificado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os fatos anteriores ao registro de candidatura podem ser examinados no âmbito de uma AIJE.

Nota do Blog: O portal abre espaço para o prefeito Fábio Rodrigues, se manifestar sobre as fortes acusações feitas pelo o vereador Márcio André, ou se silenciar, aceitando as afirmações que lhe são expostas.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *